Buscar
Seja bem-vindo à Editora Revan Já é cadastrado? clique aqui
Minhas Compras 0 itens
Você está em:

A Constituição do Comum - Antagonismo, produção de subjetividade e crise no capitalismo

Foto
Passe o mouse para ativar o zoom Indique o produto
  • Compartilhe:
  • Avalie:
Comprar R$ 65,00
ou 6X de R$ 10,83 sem juros
  • 1X de R$ 65,00 sem juros
  • 2X de R$ 32,50 sem juros
  • 3X de R$ 21,67 sem juros
  • 4X de R$ 16,25 sem juros
  • 5X de R$ 13,00 sem juros
  • 6X de R$ 10,83 sem juros

Ficha Técnica

Autor(es): ALEXANDRE MENDES, BRUNO CAVA
ISBN: 9788571065802
Idioma: PORTUGUES
Edição:
Encadernação: BROCHURA
Número de Páginas: 320
Ano de Edição: 2017
Mensagem de disponibidade: DISPONÍVEL PARA VENDA
Formato: 1 X 23 X 16

Sinopse

 Afinal de contas, o que é o comum? O comum é força produtiva se a produção for entendida como produção biopolítica tomada pelo avesso, enquanto subjetividade antagonista, em tendência de autonomização. E é trabalho se for trabalho vivo, virtude criadora, diferença afirmativa, pura subjetividade, essência que é spinozamente potência. O comum é devir e não ser, é multiplicidade intensiva e não acúmulo de fatores produtivos, acontecimento intempestivo e não progresso histórico. Por isso, o itinerário escolhido neste livro afasta progressivamente qualquer leitura do comum que não se encontre no terreno de uma ontologia, pensada desde as texturas sensíveis do viver mesmo, seus modos de sentir, sua microfísica do poder, ao modo de Foucault. É a partir dela que tecemos o fio que entrelaça o campo histórico e político das emergências, aquelas que já observamos no curto e no longo ciclo global de lutas, com a criação conceitual do comum. Ao mesmo tempo, o comum só existe na ruptura e na descontinuidade, ainda que molecular, do continuum histórico onde se distribuem os agentes e as relações de produção. Esta fissura-crise é coextensiva à pior crise do capitalismo desde a quebra da bolsa de 1929, bem como ao ciclo de lutas que a tensiona desde dentro e que é a própria brecha, a sua cartografia dinâmica de recusas: movimentos incessantes de reelaboração dos termos do problema marxiano de abolição do capitalismo enquanto modulação dominante da vida, da produção, da riqueza.

Leia também

A CONSTITUIÇÃO DO COMUM
Certificações
Formas de pagamento
  • Crédito VISA
  • Crédito MasterCard
  • Web Boleto
  • Elo
  • Diners
  • Discover
  • American Express
Entre em contato
vendas@revan.com.br
(21) 2502-74-95
Copyright ©2017 Editora Revan. Todos os direitos reservados.

Newsletter