Discursos sediciosos n.19/20

Mais informações
Autor:
Varios Autores (veja mais livros deste autor)
Editora:
Revan(veja mais livros desta editora)

De: R$ 86,00 Por: R$ 43,00 Em 5x de: R$ 8,60

Comprar
Consulte aqui o valor do frete e prazo de entrega do produto
Opção de parcelamento via cartão de crédito
  • 1x de R$ 43,00 sem juros
  • 2x de R$ 21,50 sem juros
  • 3x de R$ 14,33 sem juros
  • 4x de R$ 10,75 sem juros
  • 5x de R$ 8,60 sem juros
Avalie:

" A revista Discursos Sediciosos chegou ao número 20! Quando começamos, nos anos noventa, com a inesquecível presença de Carlos Magno Nazareth Cerqueira, Nilo Batista brincava dizendo que "se a revista não deslanchasse daria um bom calço de mesa". Tudo conspirava contra sua permanência: saíamos do governo de Leonel Brizola amplamente derrotados em todos os sentidos. Era exatamente naquela conjuntura que o estado de polícia se espraiava, nos primeiros movimentos do neoliberalismo ascendente. Como fazíamos questão de apontar, a questão criminal começava a ocupar os corações e mentes do Brasil. Naquele momento, começava a se quebrar uma cultura de resistência à truculência policial que determinava uma renaturalização que viria a se constituir em aplauso. Passamos esses quase vinte anos assistindo á construção daquilo que Loïc Wacquant descrevera como o Estado Penal. A população de brasileiros encarcerados pulou cerca de 100 mil para mais de 500 mil, com mais de 600 mil sob penas alternativas. O mais impressionante era a adesão intelectual, à direita e à esquerda, em torno das sistemáticas campanhas de lei e ordem estadunidenses dirigidas a um inimigo recorrente em nossa história: a juventude das favelas urbanas e bairros pobres. A política criminal de drogas atualizou nossos fantasmas, tratando de, junto com a grande mídia, esculpir cotidianamente o homem "matável". Esse movimento produziu uma colossal demanda por ordem e uma adesão subjetiva ao extermínio que nem um governo popular conseguiu deter. O resultado assustador é uma nova cultura criminológica e jurídica hoje hegemônica, que tem como bem jurídico tutelado a segurança pública. Nesse modelo, as garantias são entendidas como privilégios, as favelas são territórios inimigos a serem ocupados e até a Corte Suprema, pautada pela grande mídia, discute se é obrigatório ter provas para punir. O nosso legado escravocrata e inquisitorial ibérico ressurge assustadoramente. Nesse 20º número, reunimos um potente conjunto de autores e artigos que ajudaram a construir uma rede de resistência que hoje se multiplica pelo Brasil e também pela América Latina. Perdemos muitos grandes companheiros nessa árdua caminhada, mas recebemos também uma surpreendente recepção de uma juventude indômita que atua em diversos fronts dessa luta. Agradecemos a nossos fiéis leitores, aqueles que nos acompanharam nesses tempos difíceis, e apresentamos aqui mais munição para as lutas contemporâneas contra as opressões penais que o capitalismo sempre atualiza. Nas seções desse número, encontram-se diferentes olhares e diferentes maneiras de resistir: do Direito Penal ao luxo de ter parte da obra de Carlos Vergara entoando cantos de liberdade. "

Código de barras:
9771413988001
Dimensões:
2.00cm x 16.00cm x 23.00cm
Edição:
1ª. Edição
Marca:
Revan
Idioma:
Português
ISBN:
9771413988001
ISBN13:
9771413988001
Número de páginas:
696
Peso:
980 gramas
Encadernação:
Brochura

Sobre os autores

  • Nome do Autor VARIOS AUTORES