Buscar
Seja bem-vindo à Editora Revan Já é cadastrado? clique aqui
Minhas Compras 0 itens
Você está em:

CORCUNDAS E CONSTITUCIONAIS A CULTURA - A cultura política da independência (1820 - 1822 )

Foto
Passe o mouse para ativar o zoom Indique o produto
  • Compartilhe:
  • Avalie:
Comprar R$ 56,00
ou 5X de R$ 11,20 sem juros
  • 1X de R$ 56,00 sem juros
  • 2X de R$ 28,00 sem juros
  • 3X de R$ 18,67 sem juros
  • 4X de R$ 14,00 sem juros
  • 5X de R$ 11,20 sem juros

Ficha Técnica

Autor(es): LÚCIA MARIA BASTOS PEREIRA DAS NEVES
ISBN: 9788571062481
Idioma: Português
Edição: 1ª. Edição 2006
Número de Páginas: 480
Ano de Edição: 2003
Formato: 23 X 16

Sinopse

No palco de um teatro quase desprovido de plateia, D. Pedro e as elites política e intelectual brasileiras, através dos jornais e da cultura política expressa nos folhetos, encenaram, juntamente com a elite portuguesa, o drama da emancipação do Brasil, cujos motivos, porém, não se encontravam nas ideias abstratas do liberalismo ou de uma consciência nacional. No primeiro ato, a trama dos acontecimentos desfez a ilusão de um único império constitucional. No segundo, a força dos interesses concebeu a solução separatista de um novo império, ainda que prisioneiro das mesmas permanências do Antigo Regime, que tinham conduzido àquela situação. Num terceiro, construiu-se um imaginário da Independência na medida das necessidades do país, que ainda hoje nos desafia.


Os anos 1821 e 1822 foram certamente marcados por súbitas mudanças no mundo luso-brasileiro. As transformações mais profundas, porém, não foram as políticas, mas as mentais. Num período muito breve, certas palavras adquiriram novos sentidos. Outras foram usadas pela primeira vez. Todas procurando expressar conceitos inéditos e totalmente inovadores. Seja despotismotiraniaabsolutismo; seja cidadãoliberdadeigualdadeconstituição; ou ainda pátrianaçãoindependência – tais palavras cruzaram o oceano e entraram estrondosamente no discurso público da América Portuguesa, criando uma espécie de tiroteio verbal entre os dois lados do Atlântico. E aquilo que até então constituíra segredo de palácio, discutido nas salas privadas da Corte, virou notícia na praça pública e assunto de conversas nas ruas.


A professora Lúcia Maria Bastos Pereira das Neves, baseando-se numa pesquisa profunda e pormenorizada nos panfletos e jornais do período, publicados nos dois lados do Atlântico, através de um raciocínio lúcido, que demonstra grande erudição geral, apresenta aqui suas inovadoras conclusões sobre esse processo, num texto marcado por uma clareza admirável.


Sobre a autora: Lúcia Maria Bastos Pereira das Neves nasceu no Rio de Janeiro em 1952, graduando-se em História na Universidade do Estado Rio de Janeiro. Lecionou em escolas de ensino fundamental e médio, como o Colégio de Aplicação da UERJ e o Colégio Pedro II. Em 1986, completou o mestrado na Universidade Fluminense, defendo, mais tarde, em 1992 sua tese de doutorado na Universidade de São Paulo. Sua carreira universitária começou em 1976 no Departamento de História da UERJ, onde ainda hoje é professora titular de História Moderna, lecionando nos cursos de graduação e pós-graduação. Pesquisadora do CNPq, voltada para a área de História política, intelectual e cultural do Brasil e de Portugal, nos séculos XVIII/XIX, é autora de O Império do Brasil (Nova Fronteira, 1999, em co-autoria com Humberto F. Machado), tendo ainda publicado artigos, no Brasil e no exterior. Este livro é resultado de parte de sua tese de doutorado, sob a orientação da Profª Drª Maria Beatriz Nizza da Silva.

Leia também

Folha de S.Paulo (14/jun/2003)
Certificações
Formas de pagamento
  • Crédito VISA
  • Crédito MasterCard
  • Web Boleto
  • Elo
  • Diners
  • Discover
  • American Express
Entre em contato
vendas@revan.com.br
(21) 2502-74-95 - (21) 2502-8697 - (21) 2504-5614
(21) 2504-5693 - (21) 99618-9750 (VIVO)
Copyright ©2019 Editora Revan. Todos os direitos reservados.

Newsletter