Memorias clandestinas e sua museificação

Mais informações
Autor:
Ana Lucia Siaines De Castro (veja mais livros deste autor)
Editora:
Revan(veja mais livros desta editora)

Por: R$ 35,00 Em 5x de: R$ 7,00

Comprar
disponivel
Consulte aqui o valor do frete e prazo de entrega do produto
Opção de parcelamento via cartão de crédito
  • 1x de R$ 35,00 sem juros
  • 2x de R$ 17,50 sem juros
  • 3x de R$ 11,67 sem juros
  • 4x de R$ 8,75 sem juros
  • 5x de R$ 7,00 sem juros
Avalie:

"Com ousadia, esta obra reflete sobre a forma que adquirem as memórias clandestinas ao serem apropriadas por dispositivos institucionais, denunciando ao mesmo tempo o flagelo da tortura imposto ao país pelo golpe militar de 1964. Enveredando pelas mais exíguas vielas do universo da informação e da comunicação, Ana Lúcia Siaines de Castro, de modo cativante, revela as vicissitudes de uma pensadora apaixonada.Fruto de intensa e extensa pesquisa, a autora, manejando com habilidade exemplar a arma da redicção, mergulha no presente, resgata o passado e funda uma narrativa que vivifica o que não deve ser esquecido. Na resistência ao silenciar, esta obra confronta a memória oficial com a memória clandestina, afirmando como esta última se sobressai na “cena cultural” ao invadir o espaço público, como museus, arquivos e bibliotecas.No contexto deste livro, Ana Lúcia empreende a leitura do período histórico que antecede o golpe militar de 1964 – a década de 1950 –, destacando o papel da mídia na construção de um imaginário social que imputava aos opositores do sistema a figura de "traidor da pátria". Associadas, as imagens de comunismo e de esquerda são apresentadas como ameaças permanentes ao poder instituído, fornecendo ainda os contornos de uma “subjetividade subversiva” que, consolidada, aumenta a matéria-prima de uma subjetividade hegemônica, responsável por uma percepção dominante de mundo.Sobre esse fundo, é apresentado o depoimento de um ex-preso político, confirmando, por um lado, a existência, na época, da violência oficializada na forma de tortura, desaparecimento ou morte e, por outro, que o confronto com o silêncio pôde salvá-lo da ocultação. Ganha relevo, também, a ação do Grupo Tortura Nunca Mais pelo papel que desempenha na percepção e na compreensão de processos comunicativos e informacionais, uma vez que atua como memória viva, não deixando calar ou esquecer o preocupante inventário histórico que constituiu a América Latina, com seus 90 mil desaparecidos. Selando os contornos bem definidos da obra, o museu é apresentado como o rico lócus do que vive e vige e não do petrificado, do que deve ser isolado ou esquecido.Mais do que denunciar, Ana Lúcia demonstra que respostas criativas são aquelas que conduzem a um pensar de provocação. Um pensar que, ritmado aos acordes da ética, rompa com a quietude silenciosa, afirmando memórias que conservem a centelha das lutas pela vida e pela liberdade.Estrella BohadanaDoutora em História dos Sistemas de Pensamento – ECO/UFRJSobre a autora: Formada em Museologia Histórico Nacional (atual UNIRIO), é mestre em Ciência da Informação e Doutora em Ciência da Informação, ambos os cursos feitos na Escola de Comunicação (ECO) da UFRJ. Foi professora nos cursos de Direito e Gestão nos programas de Pós-Graduação da Universidade Cãndido Mendes e na UDESC. Atualmente, é Professora Adjunta da Escola de Museologia – UNIRIO, onde leciona na Graduação e no Mestrado e Patrimônico. Desenvolve pesquisas na área de Museologia e sua relação com a Informação e Comunicação, com vários trabalhos publicados na área. "

Código de barras:
9788571063617
Dimensões:
2.00cm x 14.00cm x 21.00cm
Edição:
1ª. Edição
Marca:
Revan
Idioma:
Português
ISBN:
9788571063617
ISBN13:
9788571063617
Número de páginas:
212
Peso:
230 gramas
Encadernação:
Brochura

Sobre os autores

  • Nome do Autor ANA LUCIA SIAINES DE CASTRO